To Be Continued: Setembro/2013

tobecontinued4

Atrasou, mais saiu! O post que você, nerd preguiçoso que não corre atrás de saber quais os lançamentos bons do ano, usa para decidir o que baix…. comprar! Finalmente, o To Be Continued contendo quais jogos, dentre os lançamentos de Setembro de 2013, nós do Em Outro Castelo pretendemos jogar!

Primeiramente gostaria de pedir desculpas pelo atraso do post, que foi inteiramente culpa minha (Maximus). Como roubaram meu laptop no fim de agosto, fiquei meio que distante do site até chegar o substituto (tanto que o Panda e o Ed já tinham mandado o texto no fim de agosto). Além disso, perdi um podcast praticamente pronto, que terei que editar de novo (o que explica a demora desde o último Warp Zone). Mas vamos aos jogos:

Todos os membros

Jojo’s Bizarre Adventure All Star Battle, porque todos somos fãs de Jojo e de jogos de luta, logo não tem como errar! Então provavelmente nós passaremos um bom tempo jogando, e quem sabe até não role um vídeo de gameplay…

Ed Shemp

Já joguei Saints 4, mas o meu programa de edição de video tá de fuleragem, então a review escrita vem aí (já deve ter saído). Bureau… ainda não joguei.

Esse mês quero jogar o GTA 5, mas como não tenho PS3 e não pretendo comprar consoles antes do PS4, será difícil… O mesmo para Wonderful 101, mas ele é pro WiiU, então é ainda mais difícil.

General do Panda

Pra quem não se recorda da minha escolha do mês de Agosto, eu decidi entrar de cabeça no mundo dos fighting games com DiveKick, um jogo cuja a ideia era satirizar uma das mecânicas mais apelativas de jogos do gênero, reduzindo todo gameplay ao simples apertar de APENAS DOIS BOTÕES: Dive (‘’Pular’’) e Kick (Chutar). Além trazer diversas referências ao mundo dos jogos de lutinha.  Então, como se sai um jogo que começou como uma piada? Na verdade bem melhor que a expectativa.

Tendo despido o jogo de todas as mecânicas complexas que vemos em muitos jogos de luta hoje em dia e criado um controle extremamente simples, DiveKick é um título que pode ser facilmente pego e jogado por qualquer pessoa que jamais tirou ‘’um contra’’ num Street Fighter. Porém, não pense que não há desafio algum. Por possuir movimentos limitados e 1-hit KOs, cada Round torna-se tenso e imprevisível. E não, o jogo não se torna um Button Mashing sem estratégia. Cada personagem tem habilidades únicas e seus chutes tem ângulos e velocidades distintas e habilidades especiais únicas, que realmente fazem diferença nos  combates. Exatamente, por mais que todo personagem esteja preso a apenas 2 botões eles NÃO SÃO IGUAIS, não só em aparência, mas também em questão de gameplay .

O jogo não é perfeito, mas ele é bem divertido. É bem balanceado, com poucas exceções (The Baz, estou olhando pra você) e parece perfeito para se jogar em um churrasco com os amigos, mas se jogado apenas no single player pode ser tornar meio monótono. Acho que vale fácil o preço da Steam, em especial se você, da mesma forma que eu, gosta de jogos de luta, mas possui a coordenação motora de um ciclope caolho, esse pode ser o jogo pra você.

E para esse mês, como ando muito feliz ultimamente, decidi tentar quebrar minha já fraturada sanidade mental com o First Person Survival Horror ”Outlast”. Não sei o que esperar do jogo e nem sabia de existência dele, até a madrugada em que escrevi este texto, quando vi o trailer do jogo e pensei ”Why The Fuck not?”.

Maximus Decimus

Em agosto comprei o Dragon’s Crown no dia do lançamento, e tenho jogado ele para cacete! O jogo é um beat-them-up excelente, um dos melhores que já joguei facilmente. Já zerei umas 4 vezes (com personagens diferentes) e tenho me divertido bastante jogando on-line (que só libera lá pelo nono estágio). Além disto, neste interim chegou o meu Tomb Raider e Teatririphim… Teatryrythm… Teatríss… Ah, o Final Fantasy musical para 3ds, ambos comprados em promoções do Play-Asia (um dia escrevo um post a respeito de como comprar lá). Ambos os jogos são muito foda, mas não escreverei sobre eles porque eles são velhos.

Este mês tem algumas escolhas interessantes. O Puppeteer parece bem bacana, mas é o tipo de jogo que vou deixar para comprar na promoção. Idem para o GTAV, mas conhecendo a minha sorte esse só baixa de preço em 2016, tendo em vista que até hoje eu espero o Skyrim baixar de preço no PS3 ou sair pra Mac. Scribblenauts Unlimited não jogo tão cedo também, pois não gosto tanto do primeiro Scribblenauts (achei a idéia melhor que a jogabilidade em si, rapidinho enjoei do jogo).

Por isto, neste mês, escolhi comprar um jogo indie: Brothers: A tale of two sons. Jogo indie, menor, que é basicamente uma aventura meio estilo Ico, com exploração, plataforma e vários puzzles, onde você controla dois irmãos… Com um ligeiro twist: Você controla ambos ao mesmo tempo, um com cada analógico! Sim, isso mesmo, um jogo co-op para quem não tem amigos!

Brothers: A tale of Forever Alone

Se você é do tipo que pensou “Ai ele usou memes que coisa sem graça esperava mais do Em Outro Castelo”, parabéns, você é um hipster!.

Anúncios

Sobre Maximus Decimus

Um carinha do barulho que vai armar altas confusões que até deus duvida nesse site que é um estouro.
Esse post foi publicado em To Be Continued e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe seu comentário, dica, opinião não relacionada ou propaganda descarada aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s